Depois da última Francal ter sido preenchida pelos tênis brancos é vez de ousar na Couromoda e escutar o que vem sendo dito há muito tempo: a tendência é o conforto.


Os high heels não deixarão de existir e nem as mulheres de usá-los, mas a preferência será dada aos sapatos baixos.



É praticamente inexistente uma vitrine sem um tênis de modelo nela, aos mais ousados, solas de EVA e modelos como o famoso NMD e a linha Boost da Adidas serviram de inspiração, jogging, slip on, tem para todos os gostos, se antes não adeptos, agora virou sermão.


A cartela de cor em geral é sóbria, tons terrosos, branco e preto são convidados VIP de todas as estações, com tonalidades diferentes, mas sempre presentes, verde militar, marsala, azul marinho, vermelho. Veludo em todos os lugares, specchio e uma pegada fun, com animais nos sapatos, creepers com solas altíssimas a la Stella McCartney também marcaram presença na feira, com diversos cabedais, alguns em oxford outros lisos, mules como a do Gucci e o famoso chinelo slide. Podemos dizer que é a feira da aposta.



Muita informação. A Couromoda 2017 é fruto de um 2016 problemático, sem lucros e de uma recessão sem perspectiva de melhoras, tavlez os sneakers por todo lugar sejam fruto disso, de um desespero para o acerto e de um novo salvador como foram as cópias do famoso tênis de salto de Isabel Marrant.


O consumo diminuiu, o brasileiro se torna mais consciente a cada dia, o que fazer diante desse cenário?


Estamos todos atrás dessa resposta, não existe fórmula certa, apenas tentar entender o  seu consumidor e adaptar a sua marca para o novo comércio que vem emergindo no mundo. Conheça e respeite seu consumidor.


Todas as tendências foram aplicadas nessa feira, Capodarte, Dumond estão mais limpas e minimalistas, o matelassê clássico continua, couros brilhosos e tênis confortáveis. Uma Arezzo com coleção em parceria com a top Gisele Bundchen, sapatos com cara de internacionais, mas nisso o grupo tem know how e as pessoas que fazem as marcas acontecerem também.


Luiza Barcelos e a supremacia em fazer sapatos de qualidade, apostou em brilhos, alças removíveis - como dissemos há algum tempo - veludo, specchio e uma coleção de babar, as combinações de cores belíssimas preencheram as prateleiras que prometem um inverno cool e descolado para a consumidora.



Espero que o próximo ano seja melhor e traga os frutos que todos do setor calçadista merecem, para aqueles que souberem se adaptar, este é apenas o começo, aos outros que insistem em pensar dentro da caixa, o novo mundo lhes esmagará.